Rota turística Delícias da Colônia comemora 13 anos

///Rota turística Delícias da Colônia comemora 13 anos

Rota turística Delícias da Colônia comemora 13 anos

Criação de avestruzes, Convento São Boaventura e cactário estão entre os pontos turísticos
media_capa_cor_delicias_da_colonia
Crédito da foto: Frederico Sehn

Vale do Taquari – A noite de sexta-feira (17) foi especial para profissionais do turismo, proprietários dos pontos turísticos e representantes dos municípios que integram o roteiro Delícias da Colônia, que abrange Estrela, Colinas e Imigrante. Reunidos no Centro de Cultura e Turismo Bertoldo Gausmann, em Estrela, eles brindaram os 13 anos da rota, comemorados na segunda-feira (13).

A trajetória do segundo roteiro turístico oficial do Vale do Taquari – dois anos mais novo do que a Rota Germânica, em Teutônia e Westfália -, é também a história de pessoas como o aposentado Inácio Berwanger (63) e a esposa Lourdes Maria Berwanger (58). Desde 2002, eles emprestam a casa centenária, em estilo enxaimel, e o alambique em funcionamento há mais de 65 anos para o olhar curioso de turistas da região, de outras partes do país e até mesmo do exterior.

O alambique Berwanger é um dos nove pontos turísticos da Delícias da Colônia. Além de abrir as portas da propriedade em Linha São José, em Estrela, com o jardim caprichosamente cuidado para ser cenário de fotos, seu Inácio e dona Lourdes se empenham em atender o turista. Ele, que conhece o alambique desde que nasceu, sabe na ponta da língua o processo de fabricação da cachaça e dos licores vendidos no local e degustados pelos visitantes.

Enquanto orienta o grupo de turistas, seu Inácio desfia a história da família. A casa de 117 anos onde residem ele e a mulher foi erguida pelo avô. O alambique, iniciado pelo pai, teve continuidade garantida por Inácio. “Sempre produzimos para consumo próprio e para os vizinhos. Ainda estou fazendo pela tradição, por teimosia”, brinca o aposentado. Na verdade, admite ele, não fosse pela rota turística que abrange alambique, a família já teria encerrado a fabricação artesanal.

E não é nem pelo rendimento que o roteiro agrega no orçamento do casal, que tem como principal atividades a produção de frangos e de gado. Lourdes e Inácio seguem com o alambique e o pátio arrumadinho, esperando as visitas, pela satisfação em receber os turistas e manter o roteiro funcionando. “Turismo é um negócio a longo prazo e um conjunto de atrações. Um sozinho não faz turismo. Quanto mais opções tiver, melhor é”, acredita o aposentado.

tema_alambique

Investimento

É em exemplos como o do casal Berwanger que o turismo no Vale do Taquari encontra espaço e dedicação para crescer. Seu Inácio garante que os investimentos feitos na propriedade depois que a família aceitou integrar a rota turística demoraram a compensar o esforço. “No início só dava prejuízo. Retorno mesmo só temos de uns dois anos para cá”, comenta.

Não raro, os visitantes empolgados com a cachaça artesanal e licores de abacaxi, butiá e figo, entre outros sabores, extrapolam a cota dos R$ 2 da taxa de consumação. A degustação, no porão da casa, em meio às pipas que guardam a cachaça, é, estrategicamente, o último ponto do passeio na propriedade dos Bergwanger. “Depois daqui, ninguém presta mais atenção”, diverte-se seu Inácio.

Pontos do roteiro

Estrela
– Recanto do Avestruz
– Alambique Berwanger
– Sirlei Chocolates

Colinas
– Casa do artesão e produtos coloniais
– Restaurante Frozza

Imigrante
– Cactário Horst
– Contêiner sustentável da Séhven Cosméticos
– Convento São Boaventura
– Bella Cantina
cactario-horst1
Atrações diversificadas

Além de provar a cachaça do alambique em Linha São José, quem visita o roteiro Delícias da Colônia tem a opção de adquirir artesanato e produtos coloniais, conhecer uma criação de avestruzes e prestigiar o maior cactário em variedade de espécies do Brasil. Para o coordenador de Turismo da Secretaria de Cultura e Turismo (Secultur) de Estrela, Antônio Veloso, essa diversidade de atrações é o grande diferencial do roteiro. Veloso, que atua como guia turístico na rota, explica que, em geral, o passeio começa pela manhã, por volta das 10h, e se encerra no fim da tarde.

Além de visitar os pontos que incluem a rota, os turistas são levados a um “tour” pelas cidades. “Ele é abrangente: é um roteiro rural, mas também urbano. Além disso, os eventos realizados nas cidades, como a Paixão de Cristo em Imigrante e a decoração em datas comemorativas, também ajudam muito na divulgação”, complementa.
casaartesaoprodutos

O presidente da Associação Turística Regional Delícias da Colônia (Aturdec) e proprietário do Recanto do Avestruz, Lauri Ely, destaca que os empreendedores se esmeram para oferecer atrativos diferenciados e atender bem os visitantes. “O roteiro não se repete. Cada ponto é um atrativo diferente.”

Para Ely, a rota vem crescendo nos últimos anos, tanto em quantidade quanto em qualidade. Em média, 29 mil pessoas visitam os pontos do roteiro por ano. Em torno de cinco mil conhecem toda a rota em grupos, com guia turístico. Segundo o presidente da associação, no ano passado, outros três pontos foram incluídos no roteiro: a Bella Cantina e a loja da Séhven, em Imigrante, e o restaurante Frozza, em Colinas. Veloso comenta que, cada vez mais, a ideia é unir os roteiros da região – atualmente, são oito -, garantindo que os turistas permaneçam mais dias no Vale do Taquari. “O potencial do Vale é muito grande.”

Saiba mais

O agendamento do passeio guiado é feito pela agência de turismo Imitur, de Imigrante, e também com a Secultur de Estrela. Também há a opção de as pessoas visitarem os locais em grupos menores, sem o guia turístico. Em cada ponto, há uma taxa de R$ 2. O valor é cobrado para degustação ou descontado na compra de produtos.

O contato prévio com os empreendedores é importante para que eles possam se organizar para atender os turistas. Endereços e telefones dos locais podem ser conferidos no site da Amturvales.

Em questão

A turismóloga da Associação dos Municípios de Turismo da Região dos Vales (Amturvales), Lizeli Bergamaschi, fala sobre a importância da parceria público-privada para a consolidação do turismo, a exemplo da rota Delícias da Colônia.

O Informativo – A maioria dos pontos turísticos do roteiro Delícias da Colônia são empreendimentos particulares. Qual a importância da iniciativa privada para alavancar o turismo?

Lizeli Bergamaschi – Cada vez mais sabemos da importância da iniciativa privada no âmbito turístico. São empreendimentos que agregam valor e trazem movimento turístico para a região onde estão localizados.

O Informativo – De que forma o incentivo do Poder Público auxilia a consolidação do turismo nos municípios?

Lizeli – Nos últimos anos, os gestores públicos têm pensado a atividade turística como uma alternativa de desenvolvimento socioeconômico e cultural. O planejamento turístico torna-se uma ferramenta importante, uma vez que é um processo que define linhas de ação e estratégias voltadas para o desenvolvimento da prática turística.

O Informativo – Qual a importância da população “comprar a ideia” do turismo?

Lizeli – O Vale do Taquari vive um grande momento no turismo. A população local é parte essencial para o bom desenvolvimento turístico da cidade. A satisfação da comunidade irá refletir na hospitalidade e também na experiência do turista. No âmbito trabalhista produz aumento social de emprego e criação de novos postos de trabalho gerando renda aos residentes e melhoria na infraestrutura da cidade. Portanto a população local é fundamental para a atividade turística.

Crédito da notícia: Juliana Bencke
Última atualização: 18 de abril de 2015 às 10h00min

Leia mais no O Informativo do Vale: http://www.informativo.com.br/site/noticia/visualizar/id/66855#ixzz3Y3pxjAaQ
© 1970-2015 Todos os direitos reservados à Rede Vale de Comunicação

By |2015-04-22T17:57:30-03:00abril 22nd, 2015|Sem categoria|Comentários desativados em Rota turística Delícias da Colônia comemora 13 anos

About the Author: