Turismo religioso projeta o Vale para ser polo do segmento no RS.

///Turismo religioso projeta o Vale para ser polo do segmento no RS.

Turismo religioso projeta o Vale para ser polo do segmento no RS.

Estado deseja mapear os potenciais de cada região para criar um calendário da fé para romeiros
Turismo religioso projeta o Vale para ser polo do segmento no RS
Crédito da foto: Frederico Sehn

Vale do Taquari – Darci Antônio Fachini (61) mora em uma terra abençoada. Não foi Jesus que nasceu na propriedade da família, na localidade de Jacarezinho, em Encantado. Mas foi a gratidão ao filho de Deus que fez a terra virar um santuário. A Pousada Theobaldo Amália Fachini, faz parte de um roteiro que percorre boa parte do Vale do Taquari no chamado turismo religioso. Oportunidade de renda, desenvolvimento e celebração da fé.

O agricultor ajuda a plantar o alimento da alma. Darci cultiva, no topo da propriedade, uma imagem de Santa Rita de Cássia. Do chão até a ponta da cabeça da estátua são 12,4 metros rodeados por 210 roseiras, contadas e cuidadas delicadamente. O local é mágico, transcendente. A paz do silêncio permite uma conexão com o sagrado.

A imagem inaugurada em 2012 nasceu de um misto de gratidão e devoção. Conta Darci que o irmão estava doente e necessitava de um transplante de medula óssea. A cirurgia foi feita, Darci doou a medula para o irmão, que sarou, e prometeu: “Preciso agradecer, fazer algo de bom para a comunidade”, recorda.

Desde então, a pousada é símbolo de turismo e filantropia. Toda a renda arrecadada no local – que recebe em média 60 hóspedes por mês, mais 200 visitas à imagem a cada 30 dias -, vai para instituições de caridade de Encantado.

Apóstolos

A família Fachini continua a investir em sua “terra santa”. Atualmente, estão sendo esculpidas as estátuas dos 12 apóstolos e a imagem de Jesus. As esculturas serão erguidas atrás do prédio onde funciona a pousada, no caminho de subida, rumo ao morro de Santa Rita de Cássia. O trabalho é executado pelo mesmo artista que talhou Santa Rita. “É uma oportunidade para quem vive aqui mas não tem a chance de viajar para mais longe. Ao mesmo tempo é a chance de quem vem de fora ter mais uma atração para conferir”, convida Darci.

O ponto turístico da família Fachini surge como uma alternativa ao Rio Grande do Sul. Conforme o diretor de Turismo da Secretaria Estadual de Turismo, Esporte e Lazer (Setel), Abdon Barreto Filho (62), dos 497 municípios que fazem parte do Rio Grande do Sul, 472 – ou seja, em quase todos -, existe potencial turístico. Em boa parte deles, religioso.

No entanto, a administração pública estadual admite que nunca pensou em criar um roteiro para “vender” ao público essas rotas. “Nós precisamos criar um mapa com a oferta do turismo religioso do Estado, levando em conta os milhares de fiéis que procuram as cidades em busca de religiosidade”, salienta.

Barreto explica que o turismo religioso está ligado à cultura de cada região. Por ter forte a colonização alemã e italiana, o Vale do Taquari apresenta atrações de predominância católica. “Assim como ocorre em Santa Maria, Porto Alegre e outros grandes centros. A fé cristã – católica – é muito presente no Estado, e essa é, sim, uma maneira de desenvolver as cidades por meio das rotas religiosas.”

Divisão por regiões

Na proposta da Setel, a partir do levantamento feito junto às prefeituras, o Estado será dividido em 25 regiões turísticas. Cada uma delas terá um destaque cultural, gastronômico, paisagístico ou religioso – o Vale do Taquari está nesta lista.

Há intenção ainda de criar-se um calendário de eventos, uma vez que o turismo de religião está atrelado às datas festivas, das paróquias, comunidades e santuários. “Nesse calendário estarão visíveis os polos turísticos do Rio Grande do Sul e as suas atrações. Essa é uma política pública que facilitará também o investimento, uma vez que tornará visíveis os roteiros dos grandes centros e do interior”, complementa o diretor de turismo.

 
Encantado, TOP 10

A aposentada Vanira Ferri (74) não sabe, mas mora ao lado de um ponto turístico “TOP 10”: a igreja matriz de Encantado. A eleição foi feita pela internet, ainda no mês de setembro, pela Secretaria Estadual de Turismo, Esporte e Lazer, com a ajuda de internautas.

O número 910 é o primeiro vizinho da Igreja Matriz São Pedro, em Encantado. Há pelo menos 40 anos ela mora no local, junto com mais dois irmãos. A casa, herdada do pai – que ajudou a construir a igreja -, é ponto certo de visita também. “O povo acha que aqui é a casa do padre. Não foi uma e nem duas vezes que me acordaram de madrugada, para… sabe, aquele negócio.” Vanira não gosta de falar da extrema unção, bênção que se dá aos que estão no leito de morte.

Para ela é um orgulho residir ao lado da matriz e celebrar a vida. “Eu sinto uma paz enorme. Saio de casa, dou de cara com nossa igreja, não precisa nem entrar para rezar, rezo daqui mesmo”, garante.

O templo que tem uma réplica do Santo Sudário – que segundo a tradição cristã vestiu Jesus Cristo depois de sua crucificação – é mais uma atração turística do Vale. Em 29 de junho, a Matriz celebra o dia do padroeiro. Dona Vanira diz que a igreja “incha” de gente, assim como no Natal e em outras celebrações do ano.


Dona Vanira rega suas plantas enquanto contempla a Matriz São Pedro

 

Anta Gorda

O padre Clécio José Henckes (52) diz que na localidade de Itapuca, no interior do município, existe a maior gruta da América Latina. Nela, está depositada a imagem de Nossa Senhora de Lourdes, que, pelo menos uma vez por ano, arrasta uma multidão para lá.

O segundo domingo do mês de fevereiro é sagrado: mais de oito mil pessoas visitam o local. “É muito especial fazer parte disso. Sentimos aqui que temos um povo de fé, que participa e divulga as festas religiosas.” Além da festa de Lourdes, outros dois eventos ocorrem lá: A Romaria dos Motociclistas, em outubro, e a festa da família, instituída por lei municipal, no dia do padroeiro – São Roque – , comemorado no mesmo dia do Dia dos Pais.


Gruta de Itapuca é a maior da América Latina (Foto: Livia Oselame/arquivo)
Arroio do Meio

O primeiro domingo de fevereiro é o dia escolhido para lembrar-se da protetora daqueles que vivem das águas, a Nossa Senhora dos Navegantes. No bairro que leva o nome da santa, a professora aposentada Lourdes Zanatta Both (64) ensina que a tradição leva em conta as festas do passado, daqueles que ergueram as cidades na margem do Taquari. “É uma festa centenária, que ao longo dos anos mantém viva a cultura da fé na região.” Na procissão de Navegantes participam, em média mil pessoas a cada ano.

Canudos do Vale

O segundo domingo de fevereiro também é sagrado para a comunidade Santo Antônio, da localidade de Rui Barbosa. Lá existe uma gruta com Nossa Senhora de Lourdes, festejada há 36 anos. O comerciante Alair Caliari (58) explica que nove dias antes da festa, os fiéis iniciam as rezas. E, no dia da romaria, caminham um quilômetro da capela até a gruta, em um só coro. “A maior alegria é ver o povo nos visitando. Isso é mais que fé, é amor.” Caliari conta que, em média, três mil pessoas participam da festa.
Cruzeiro do Sul

A Comunidade Católica Nossa Senhora Aparecida realiza a festa em homenagem à Padroeira do Brasil. Flávio Antônio da Rocha (61) há 19 anos organiza uma romaria para a Gruta de Nossa Senhora Aparecida, localizada no Morro de Cruzeiro do Sul. Neste ano, em função do mau tempo, o evento foi cancelado. Geralmente a romaria ocorre no feriado de 12 de outubro.

Ilópolis

A terra da erva-mate também é a ligação do Vale com o Vaticano. O Santuário São Paulo Apóstolo é o único no mundo com esse nome, e um dos poucos a ter relíquias de um santo da Igreja Católica. Nele estão as vestes e uma gota de sangue do papa João Paulo II, agora santo. De acordo com o padre Clécio Henckes, o Santuário concentra um grande movimento de fiéis durante o ano todo e superlota na data em que se celebra São Paulo, em 25 de janeiro, e na quarta semana de outubro, quando ocorre uma peregrinação ao Santuário.

A próxima festa está marcada para o domingo, dia 25 de outubro. Conforme o religioso, como o Santuário recebe diariamente muitos fiéis onde são celebradas missas constantes, é difícil precisar quantas pessoas passam pelo local. “O mais importante é a fé, a devoção”, acrescenta.

Santuário Apóstolo Paulo vive lotado de romeiros (Foto: Livia Oselame/arquivo)
Progresso

O dia 26 de maio é a data para comemorar Nossa Senhora de Caravaggio. O agricultor Quintino Rossetti (57) fala que a festividade existe há 80 anos, aproximadamente. No entanto, há 34 realiza-se romaria. “O público que vem até aqui chega a quatro mil pessoas.” A gruta de Nossa Senhora do Caravaggio fica na localidade de Batovira, no interior de Progresso. “Todos querem a bênção de nossa protetora. É uma festa emocionante.”

Taquari

A comunidade do Rincão São José, no interior da cidade, celebra desde 1988 a festa de Nossa Senhora de Assunção. Naquele ano, três pessoas relataram terem visto a imagem da santa e desde então, a devoção só faz crescer. Na romaria, realizada no terceiro domingo de agosto, quando se comemora a assunção de Nossa Senhora aos céus, uma multidão vem de vários pontos do Estado atrás da tradição. A última edição, realizada em 2015, reuniu, segundo estimativas da prefeitura, mais de 25 mil pessoas.


Peregrinos de Nossa Senhora de Assunção (Foto:Rodrigo Nascimento/arquivo)

Crédito da notícia: Rodrigo Nascimento
Última atualização: 13 de outubro de 2015 às 07h00min

Leia mais no O Informativo do Vale: http://www.informativo.com.br/site/noticia/visualizar/id/73429/?Turismo-religioso-projeta-o-Vale-para-ser-polo-do-segmento-no-RS.html#ixzz3oTNx98g8
© 1970-2015 Todos os direitos reservados à Rede Vale de Comunicação

By |2015-10-13T18:21:03-03:00outubro 13th, 2015|Sem categoria|Comentários desativados em Turismo religioso projeta o Vale para ser polo do segmento no RS.

About the Author: