Série Gente que acredita no turismo – do Jornal Opinião – Doces Carmen

///Série Gente que acredita no turismo – do Jornal Opinião – Doces Carmen

Série Gente que acredita no turismo – do Jornal Opinião – Doces Carmen

A professora de artes aposentada, Carmen Pompermeyer Geler, 64 anos, guardou bem os ensinamentos da avó e em 1984 foi a responsável pela criação de uma das marcas mais conceituadas da região, a Doces Carmen, de Arvorezinha. “Minha avó era uma pessoa à frente do seu tempo. Crescemos em volta dos tachos, se familiarizando com os doces e tomando gosto do fazer bem feito. Por isso, até hoje, eu faço com carinho, faço como se fosse para a despensa de minha casa”, comenta Carmen, esposa do Seu Dornelles, 65, mãe de dois filhos (um deles, a Carolina, que ajuda na empresa), e avó de três netos. Há 35 anos, a família reside em Arvorezinha.

Segundo ela, ainda no tempo de sala de aula, já projetava abrir o negócio próprio no ramo de doces para quando estivesse aposentada. “Eu queria colocar cor, textura e sabor dentro dos potes, do jeito que minha avó me ensinou”, diz, lembrando ainda a Tia Judite, ou Dita como era chamada, doceira de mão cheia, dona de padaria e que se orgulhava de exibir na sala da casa uma cristaleira cheia de compotas. “Aprendi muito com ela também”.

Oito mil potes por mês

Nos primeiros anos, a atividade era informal. O rótulo das embalagens, por exemplo, era impresso num computador de casa e colado um a um nos vidros. Na medida em que o número de clientes foi aumentando, a produção precisou atender a demanda e o trabalho se profissionalizou. Hoje são seis funcionários. “As pessoas começaram a solicitar novas receitas”, diz Carmen.

A linha de produtos conta com uma relação de 53 itens. Em média são produzidos oito mil potes por mês. Além da variedade de doces em caldas, as geleias, os doces de leite, os antepastos, as conservas, entre outros, completam o mix. “O meu carro-chefe é laranja em caldas”, confessa Carmen, que acompanha todas as etapas de produção a fim de garantir a qualidade.

Fios de Laranja

Uma das estratégias para seduzir o consumidor é elaborar doces que até então não existem no mercado, como os Fios de Laranja, uma das mais recentes criações. “Procuramos manter e resgatar as receitas de família, mais tradicionais, mas também colocar um requinte diferente, aprimorar”, explica. Tudo é feito artesanalmente, em tachões de cobres.

A distribuição é feita para empórios, supermercados e até para profissionais que trabalham com a confecção de cestas para presentes no Vale do Taquari e na região de Porto Alegre. A Doces Carmen também marca presença em eventos e feiras, como a Suinofest de Encantado. Recentemente esteve em Blumenau, Santa Catarina, no SC Gourmet. Clientes do Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Minas Gerais e Belém do Pará recebem os doces via Correio.

Sabor da fruta

Um dos segredos é manter o sabor original da fruta, por isso a quantidade de açúcar é rigorosamente controlada. “Antigamente diziam: se com uma colher de açúcar é bom, com duas é melhor ainda. Mas nós fizemos o contrário, tiramos o açúcar das receitas. Deixamos mais o sabor da fruta e tornamos o produto mais saudável”.

Erva-Mate

Em setembro, Carmen lançou uma nova marca, a Erva-Mate Carmen. A produção é terceirizada. “Temos uma pessoa que acompanha a colheita na mata sombreada. Ela fica mais suave, sem precisar de açúcar. É a mesma qualidade dos doces”, garante. A ideia de agregar a erva no mix de produtos é homenagear Arvorezinha, conhecida como a Terra da Erva-Mate, e oferecer uma nova opção, com embalagem diferenciada, para compor as cestas de presentes.

Mesa de degustação

A Doces Carmen recebe em média, até cinco pessoas por dia, desde clientes que vão exclusivamente para comprar o produto, até turistas que estão passeando por Arvorezinha e param para conhecer o processo de fabricação dos doces.

Carmen planeja para os próximos anos criar um local exclusivo para receber turistas. A ideia é aproveitar a entrada da casa, onde hoje estão instalados a lareira e o mostruário dos doces, e organizar um espaço para os visitantes. “Quero montar uma mesa só para degustação”, diz.

Agora, ela trabalha na construção de uma nova área para a produção. Até o final do ano, as novas instalações deverão estar prontas. “Vamos dobrar o espaço”.

O nome

A escolha do nome Doces Carmen não teve muitos mistérios. Segundo a proprietária, foi na hora de registrar a empresa. “Até pela pressa, precisávamos definir um nome e como os que pensávamos já estavam registrados, optamos por deixar Carmen mesmo”.

Paixão de Jacobina

Um dos orgulhos da família foi ter recebido o convite para organizar a mesa de doces da festa de casamento de Jacobina e Franz, personagens principais do filme Paixão de Jacobina, em 2002, interpretados pelos atores Letícia Spiller e Thiago Lacerda. As gravações aconteceram no Parque Histórico em Lajeado. “Nossos doces apareceram para milhões de pessoas”, comemora Carmen. “Fomos convidados para o lançamento do filme, pisamos no tapete vermelho”, brinca Seu Dornelles.

Confira o Especial em: WWW.OPINIAOJORNAL.COM.BR

TEXTO/FOTOS: DIOGO DAROIT FEDRIZZI/JORNAL OPINIÃO

By |2012-11-21T00:00:00-02:00novembro 21st, 2012|Sem categoria|Comentários desativados em Série Gente que acredita no turismo – do Jornal Opinião – Doces Carmen

About the Author: